Brasil oficial desconhece País real

Posted on Posted in AGENDA DA AGENDA, GESTÃO PÚBLICA
Compartilhe:Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Facebook

The Truman Show (1998)

A maioria daquilo que representa o Brasil oficial está longe da minha vida. Gabinetes, solenidades e, muitas vezes, sinais de nobreza. Neste Brasil oficial não tem burocracia, a não ser para adversários ou para manter tudo como está, todos nas mesmas posições. Lá, no mundo oficial, pessoas moram em palácios, utilizam jatos, tratam sua saúde em hospitais de primeiro mundo, se hospedam em suítes luxuosas e não abrem mão de outras tantas mordomias. O IDH – Índice de Desenvolvimento Humano -, se medido, bateria em quase um, performance digna de uma Noruega.

Mas tudo está correto, argumentam os habitantes do mundo oficial. E é assim. Praticamente tudo que é proposto por autoridade – lei, decreto, resolução ou medida provisória -, é legal, está conforme as regras, só que na verdade está muito distante do cotidiano da vida real de grande parte do cidadão brasileiro e até da própria capacidade do Estado em arcar com tanta despesa. Por isso e por não olhar com atenção o Brasil real, muitos atos e leis desse lugar oficial são imorais, não são éticos. Mas o Brasil oficial desconhece totalmente o País verdadeiro, esse que foi para as ruas, que protestou mas, ao que parece, não conseguiu sensibilizar praticamente nenhuma autoridade. Os altos dignatários continuam com discursos burocráticos, de lavra marqueteira, postiços. Não são autênticos, não convencem ninguém. São fantasiosos. Muitas vezes utilizam palavras de outro mundo, um faz de conta, promessas que nunca serão cumpridas. A velha demagogia. Nesse mundo oficial, a saúde está perfeita, a justiça não atrasa, a segurança é exemplar e a educação é modelo. Muitas vezes penso que nesse Brasil oficial todos que nele vivem acreditam sinceramente que esse é que é o Brasil verdadeiro. Estão convencidos que merecem o melhor dos mundos. As autoridades e burocratas do Brasil oficial estão tão embevecidas com o cargo, o poder e as benesses  que não conseguem ver o verdadeiro Brasil. Essas autoridades e entorno vivem cercadas, isoladas, como num show de Truman. Andam em carros blindados como cofres. Vidros escuros protegem olhares inquisidores. Não sabem o que é transporte público.

No Brasil real, o verdadeiro, ambulâncias ficam paradas diante de hospitais esperando a maca que foi com o paciente, e que não voltou, pois o hospital não tem número suficiente de macas. A ambulância fica horas parada esperando essa maca. E, no hospital, a paciente cai da maca, que é imprópria para hospital. Não tem grades para proteção. No mesmo hospital, o idoso aguarda meses por uma consulta. Quando chega a sua vez, a doença avançou e não tem mais cura.

Ainda no Brasil real, a autoridade aguarda um número maior de ônibus escolares para fazer uma entrega única. É melhor do que entregar um a um. Rende mais mídia. O aluno pode esperar.  E o povo também. Esse povo até parece gostar de filas. Longas filas para quase tudo. Horas, muitas vezes até dias em corredores e emergências improvisadas para conseguir um leito hospitalar para amenizar a dor, combater sua doença. Um quadro que o Brasil oficial realmente não tem a menor ideia que exista. E não quer conhecer.

Enquanto isso, a manchete do jornal do dia reflete o que acontece no Rio Grande do Sul: Educação freia o desenvolvimento. Fica a pergunta: mas não deveria ser o contrário? A educação não deveria acelerar? E notícia ruim também em Porto Alegre, cidade que escolhi para viver. O ranking do IDH vai despencando: de 5°, anos atrás, depois para 14° e hoje está em 28°. Um fiasco.

Autor: Ronald Krummenauer, diretor executivo da Polo RS – Agência de Desenvolvimento e da Agenda 2020.

 

2 thoughts on “Brasil oficial desconhece País real

  1. Ronald – Nem na Noruega se vive tão nababescamente. Se queremos consertar este páis, Ministros, Deputados e Senadores ( Sarney – por exemplo) precisam ser tratados em hospitais publicos – de preferencia via SUS, com medicos Cubanos e mandarem seus filhos estudarem tambem em colegios publicos – de preferencia naqueles onde a chuva goteja ! Este é o Brasil real !
    Abraços
    Frank

  2. Parabéns pelo artigo Ronald, temos que fazer com que essas autoridades do mundo oficial leiam essa matéria, e outras nessa linha, não sei se se sensibizariam, mas temos que mostrar nossa indignação com esse descaso do mundo oficial com o mundo real. Eles não merecem nossa consideração como “autoridades” são muito mais sanguessugas do mundo real.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *