Investimento em logística deve ser aposta do agronegócio para 2015

Posted on Posted in AGENDA DA AGENDA, AGRONEGÓCIO, INFRAESTRUTURA
Compartilhe:Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Facebook

agronegocio

O agronegócio é o setor econômico de maior tradição no Rio Grande do Sul. É incontestável seu impacto no desempenho da economia do Estado. O setor tem um significado estratégico não somente para geração de renda e emprego no campo, mas também para a evolução e para o desenvolvimento de todo o Estado. Pela pertinência do tema, os voluntários do Fórum Temático do Agronegócio da Agenda 2020 destacaram dois objetivos a serem priorizados. O primeiro é potencializar a competitividade sistêmica das cadeias produtivas do agronegócio, minimizando a carga tributária excedente que diminui a eficiência e limita o resultado. A outra prioridade é intensificar a integração da produção agropecuária à rede de inovação e tecnologia existente, como viabilizar um sistema de irrigação que reduza a dependência da agricultura aos fatores climáticos e aumente a produtividade das lavouras.

Para o voluntário Antônio da Luz, além destes pontos, perde-se muito também por conta da logística defasada. De acordo com ele, por priorizar rodovias, perde-se cerca de 70% em competitividade em relação ao Estados Unidos, por exemplo, que utiliza mais hidrovias. Segundo Antônio, esta seria uma saída possível para o RS: “Esse seria o momento para apostar. Para realizar uma quebra deste modelo. O Rio Grande do Sul possui rios navegáveis que, com valor inferior à construção de estradas, poderíamos ligar o extremo oeste ao extremo leste do Estado, reduzindo o custo logístico e aumentando a competitividade do agronegócio”, opina. “Além dos benefícios para produção local, isso transformaria o Estado em uma plataforma exportadora para outros estados e países vizinhos, melhorando nossa deficitária Balança de Serviços e atraindo empresas para fixarem-se por aqui”, conclui.

O caminho para esta reforma passaria por parcerias com empresar privadas e por uma flexibilização legal que permita e torne atraente este investimento. Este seria um dos grandes desafios para o novo governo gaúcho, que assume em 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *