Por que o ensino no Brasil forma pessoas pouco inovadoras?

Posted on Posted in EDUCAÇÃO
Compartilhe:Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Facebook

Neste 11 de agosto, Dia do Estudante, podemos fazer uma reflexão mais profunda sobre o tipo de cidadãos que estamos formando a partir do ensino, da escola, dos conteúdos que ocupam as mentes dos estudantes várias horas por dia. A reportagem a seguir, da Gazeta do Povo, de Curitiba/PR, coloca em discussão o ensino no Brasil como formador de pessoas inovadoras e que fujam dos sistemas mais tradicionais de se pôr em prática os conteúdos teóricos. Vale a leitura.

Por Denise Drechsel | Gazeta do Povo

Acostumados a estudar apenas para passar no vestibular ou Enem, muitos jovens colocam como objetivo um teto baixo de conhecimento e de atuação na sociedade. A boa notícia é que é possível acordá-los para a excelência

pink floyd

Ninguém dá o que não tem. O esforço feito pelas universidades para transformar os alunos que vêm com péssima formação do ensino médio em bons profissionais é desgastante e trabalhoso. De um lado, alunos que não sabem conteúdos simples que deveriam ter sido aprendidos na educação básica, de outro, professores tentam fazer com que os alunos supram logo as lacunas para dominar as disciplinas na graduação e entrar no caminho pelo qual trilham os países com ensino de sucesso: o empreendedorismo e a inovação.

Acostumados a estudar apenas para passar em concursos, como o vestibular ou o Enem, muitos jovens de ensino médio colocam como teto de conhecimento adquirir estratégias para responder rapidamente certas perguntas e respostas. Em muitos, a preocupação é apenas entender um mecanismo de prova. O choque ocorre quando chegam a um bom curso de ensino superior e percebem que, para sobreviver no mercado, precisam desenvolver habilidades bem diferentes que já deveriam ter sido adquiridas no passado.

O estudante vislumbra o que faltou, conhecimento básico e estímulo, o que deixou de ter na educação básica, e é tanta coisa que tem de correr atrás que fica perdido e desanimado”, afirma André Vidal Pérez, professor de Administração da FGV. “São falhas simples. Como posso ensinar a teoria geral da administração, por exemplo, se os alunos nem sabem o que foi a revolução industrial? É chocante, mas isso acontece. Nesse quadro, é preciso mais esforço do professor para estimular outro comportamento no aluno”.

Se esse estudante tem a sorte de cursar uma das universidades de excelência no Brasil, com aulas de reforço – e estímulos para os seus brios, como a existência de empresas juniores e agências de inovação –, ou é esforçado, é capaz de superar o prejuízo. Outro elemento a considerar é que apenas 7% dos cursos do país são consideradas pelo MEC de alta ou excelente qualidade (têm nota 4 e 5 no Índice Geral de Cursos), o que significa que o restante cobre o básico para conceder diplomas. O resultado dessa equação – baixa formação na educação básica, instituições de ensino superior pouco qualificadas e alunos sem motor próprio para correr atrás do prejuízo – é a graduação, ano a ano, de profissionais não preparados para transformar o país.

“Na nossa cultura, o jovem não é estimulado a ter uma postura pró-ativa. O resultado são profissionais acostumados a resolver problemas, mas isso é pouco. É preciso ser capaz de perceber situações que a princípio não parecem ser um problema, mas em que se pode ter uma iniciativa para fazer melhor. Isso, infelizmente, não é comum no brasileiro.”

ELENICE NOVAK
Diretora da Agência de Inovação da UFPR

São uma horda de “empregados”, não no sentido de serem funcionários ao invés de empreendedores, mas no fato de que são incapazes de fazer diferença no seu posto de trabalho (seja como proprietários, servidores públicos ou assalariados). São pessoas capazes de resolver problemas, mas que se atêm ao histórico do seu cargo, sem otimizar processos, sem melhorar sistemas. A boa notícia é que, felizmente, há muitos pontos fora da curva desse quadro de insuficiência no país e, além disso, algumas instituições de ensino médio e superior correm contra o tempo para chegar antes e fazer dos estudantes de graduação profissionais que façam diferença no mercado.

Focos de luz

Escolas de ensino médio espalhadas pelo país, com o apoio e incentivo dos pais, começam a sair do modelo de preparar apenas para o vestibular. Ainda que esse movimento esteja longe do ideal, como é possível perceber nos resultados dos estudantes nas avaliações de qualidade de ensino nacionais e internacionais, há iniciativas de sucesso em diferentes regiões do país.

No caso do ensino superior, há mais ou menos quinze anos, as universidades de referência no Brasil aceleraram um movimento por empreendedorismo e inovação. Com ele, multiplicaram-se as empresas juniores, as agências de inovação e os ecossistemas em tecnologia.

“Em alguns cursos os alunos passam a ver matérias de empreendedorismo no sexto ou sétimo período e se queixam de não ter ouvido esses conceitos antes, mas isso é um processo normal de amadurecimento para quem não foi introduzido a esse tipo de pensamento antes”, avalia o professor Gilberto Branco, diretor da agência de inovação da UTFPR. “Aos poucos os estudantes começam a ter mais lógica, deixam de lamentar as oportunidades perdidas e partem para conquistar as oportunidades futuras”.

Leia mais no site da Gazeta do Povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *