Inovação dá carona para RS avançar em competitividade

Compartilhe:Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Facebook

Estado sobe dois postos em ranking nacional com ajuda de segmento que permite vislumbrar futuro melhor

Foi em pleno 20 de setembro que o Centro de Liderança Pública (CLP) divulgou uma lista capaz de levantar a autoestima dos gaúchos. O Ranking de Competitividade dos Estados 2017, feito em parceria com a Tendências Consultoria e a Economist Intelligence Unit, mostrou o Rio Grande do Sul subindo duas posições na classificação geral. A façanha é bem relativa: o avanço foi de nono para sétimo. A melhor notícia são as causas: o Estado se destacou em inovação.

O ranking considera 66 indicadores em 10 pilares. O da inovação inclui três indicadores: patentes, produção acadêmica e investimentos em pesquisa e desenvolvimento. Com bom desempenho em produção acadêmica e patentes, o Rio Grande do Sul avançou uma posição e se tornou o primeiro colocado. Como nada é perfeito, houve piora em investimentos em pesquisa e desenvolvimento, o que fez o RS perder duas posições em relação à edição de 2016 nesse item.

Além da inovação, o Rio Grande do Sul conseguiu melhorar em infraestrutura, um dos com maior peso na contagem. No indicador “qualidade das rodovias”, o Estado subiu 10 posições. Sim, imagine os demais.

Não fosse a credibilidade que precede tanto a Tendências quanto a Economist Intelligence Unit (EIU), base de dados respeitada em todo o planeta, ligada à revista britânica homônima, o dado seria visto com mais desconfiança.

A justificativa do CLP para esse resultado que desafia a experiência dos gaúchos nas estradas são projetos de manutenção, recuperação e obras de ligação entre municípios e rodovias realizados em 2016. O estudo cita a RS-640, entre São Vicente do Sul e Rosário do Sul, além de outras 20 rodovias. O Rio Grande do Sul ocupou as três primeiras posições, ainda, nos pilares de eficiência da máquina pública – de novo, imagine os demais – e sustentabilidade social. A pior posição nos 10 pilares é óbvia: 26º em equilíbrio fiscal.

Fonte: ZH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *